Subscribe

Estudo de Caso: Investidora almeja independência financeira parcial. Está no rumo certo?

Olá amigos e bem vindos a mais um estudo de caso. Quem nos escreve hoje é a "Maria Investidora"

Olá AA40!
Acompanho seu blog há tempos e gosto demais. Os blogs aqui no Brasil estão amadurecendo e fico feliz em notar a quantidade de pessoas que estão querendo sair do circo que é essa vida de consumismo insano e baixa qualidade de vida.
Bom, uma observação que tenho é que são poucas mulheres que tem blogs ou comentam! Acho que talvez tenha sido reflexo da nossa sociedade e o pouco incentivo que os jovens tem, pior ainda para mulheres, que fomos criadas com alguns estereótipos.
No meu caso, sou casada (32 anos)  e meu companheiro (34 anos)  é da área de humanas, eu de exatas, então as finanças naturalmente vieram para minha responsabilidade.
Começamos o plano de independência financeira logo que casei, em 2010 e aportávamos quase 70% de nossa renda. Hj estamos em aprox 50%. Inicialmente queria aposentar até os 40, mas ao longo do tempo e depois de alguns episódios que nos fizeram refletir, resolvemos partir para a independência parcial. Meu esposo pretende continuar trabalhando 3x na semana, eu estou grávida e não pretendo retornar da licença maternidade (mar/19), atualmente trabalho em uma grande corporação (que não me traz satisfação) e eu quero dar aulas de pilates/yoga (já sou formada e dei aulas no passado para adquirir experiência).

Hj tenho 675.588,43 reais de patrimônio, sendo que o meu imóvel está a venda. Pretendo mudar para uma cidade mais no interior, e pagar aluguel em uma casa ou um sítio

Qndo o bebê nascer (set/2018) meu esposo passa a trabalhar 3x na semana, consegue uma renda (sendo conservadora) de 6.700,00/mês.
Tenho 2 cenários (morando de aluguel e com o ap vendido), sendo um gasto mensal de 7.310,00 (com folgas) ou 5.960,00 (em caso de aperto de cinto) que está na planilha

Saldos dos Investimentos-Total ( R$)
Conta corrente-   11.516,11
LCI-   73.376,05
CDB- 119.418,19
LCA/Coe-   15.000,00
Previdência Empresarial-   17.581,27
Tesouro Direto-   27.542,44
Debentures-   11.154,37
Imóvel- 400.000,00
Saldo Total Investimentos- 675.588,43

Em março qndo me desligo da empresa (correndo tudo bem, e torça vc tb para que o bebê nasça com saúde...rs) passo a usar somente uma parte dos rendimentos.
E ao longo dos anos fiz uma premissa de ir pegando cada vez mais dos rendimentos. Qndo ficar mais velha (e vc consegue notar na planilha) passo a usar parte do capital principal, mas ficando ainda uma herança para o meu filho(a).

Não considerei: heranças (provavelmente herdaremos imóveis de nossos pais), nem a aposentadoria do governo (mas que o meu esposo paga para ter 1 salario mínimo e após resgatar o meu FGTS pretendo pagar tb, mas para termos somente o salario mínimo).
Outra coisa não considerada seria a minha renda dando aulas.
Como pode perceber, sou extremamente CONSERVADORA....kkkk tanto por aportar em RF praticamente 100% quanto por não considerar alguns possíveis extras que citei acima. Considero como rentabilidade mensal 0,5% descontado inflação, mas atualmente tenho rendimento real acima de 0,8% (peguei mtos títulos/CDBs pagando 7% + IPCA na época)

Bom, é isso, gostaria de saber a sua opinião do meu plano e dos seus leitores.

Mto obrigada por tudo, fico inspirada cada vez mais a ir no caminho da frugalidade e de viver uma vida mais real!
Um abraço, Maria investidora


Olá Maria. Muito obrigado por acompanhar nosso blog. Para nós é uma honra.
Primeiramente parabéns pelo bebê a caminho e pelos aportes de 50% a 70%. São números impressionantes quando comparados com a média brasileira onde 65% das pessoas não guardam 1 centavo.
Uma mulher cuidando das finanças e dos investimentos não deveria ser surpresa nenhuma, mas infelizmente ainda é e parabéns por fazer isto e compartilhar conosco. Espero que isto venha a estimular muitas outras a tomar as rédias dos investimentos e buscar a independência financeira também, quebrando estes estereótipos do século passado.

Analisando sua situação, percebo que tens planos e cenários traçados o que é excelente. O que pretende fazer é a aposentadoria #4 do nosso post dos tipos de aposentadorias existentes.
Apenas olhando seu gasto mensal de R$ 7310 e seu marido consegue (conseguirá) R$ 6700 por mês trabalhando apenas 3 dias por semana e você ainda irá dar aulas de pilates/yoga, diria que só ai cobrem todos os custos sem precisar ao menos sacar renda de seus investimentos.
Como tens um plano B de cortar custos caso precisar apertar o cinto, estaria ainda mais segura para puxar o gatilho e executar o plano traçado de fazer o que gosta e morar no interior uma vida mais tranquila e frugal.

Renda passiva possível

Como não podemos deixar de fazer aqui, vamos  simular quanto de renda passiva seria possível sacar sustentadamente da sua carteira de investimentos.

Considerando que tenha líquido hoje (incluindo a venda do imóvel) um valor de 675 mil reais como mencionado, pela conservadora TSR 4% (Conservadora pois você mencionou que hoje tens rendimento real de 0,8% am, ou seja, 9,6% aa acima da inflação só com renda fixa. Isto é muito raro hoje em dia), teria uma renda mensal sustentável para durar cerca de 60 anos por volta dos R$ 2.500. 

Naturalmente este valor está longe dos mais de 7 mil reais necessários para se manter hoje, mas como não pretendem pendurar as chuteiras tão cedo, esta renda não será utilizada provavelmente e se somará ao bolo principal. Na prática é como se você estivesse aportando este valor todo mês a sua carteira base (isso acima da inflação).

Considerando que terá 33 anos ao fazer isto, se não sacar nada do seu portfólio em um período de 15 anos, teria mais de 2 milhões de reais (nominais) em carteira. 
É sempre bom saber que em uma emergência poderia contar com mais de dois mil reais por mês de renda para cobrir despesas caso necessário.

Onde investir o dinheiro do imóvel a venda?

Provavelmente não conseguirá investir os 400 mil do seu imóvel em títulos que pagam IPCA+ 7% atualmente.
Deverá analisar bem o que fará com este dinheiro e no que investir.
Pela sua carteira e pelo relato você parece que entende bem a questão do risco x retorno dos investimentos, então não vou comentar muito, porém seria um ótimo momento para diversificar colocando parte em ativos de maior potencial de valorização como renda variável, fundos de investimento imobiliário, algumas novas debentures, fundos multimercados, etc; tudo percentualmente de acordo com seu perfil de risco que é conservador.

Frugalidade e uma vida mais real

Não nos damos conta, mas nosso custo para trabalhar é alto. Quando parar de trabalhar na multinacional, estes mais de 7 mil reais mensais deverão cair.
Muitos dos custos que temos com transporte ou gasolina e manutenção do carro, roupas formais, comer fora e muitos outros diminuirão ou cessarão totalmente e seu custo total mensal cairá consideravelmente.
Viver uma vida frugal e mais simples vão ajudar você a se dar conta que é possível viver mais com menos. É bem possível que mesmo com as mudanças de vida que fará, a receita proveniente do trabalho "menos forçado", digamos assim, será suficiente não apenas para cobrir todas as despesas, mas sobrar um trocado para fazer aportes na sua carteira de investimento ainda. 
Não será fácil se acostumar a uma vida mais frugal tendo que renunciar alguns luxos, mas se realmente quiser e encarar a experiência como positiva e de crescimento, será engrandecedor não só para vocês mas como para seu ou sua herdeiro (a).

O futuro promete

Não consideramos todos os winfalls  que você tem pela frente, como herança de imóveis, seu FGTS que deve ter boas dezenas de milhares de reais nele,  renda extra e tudo mais.

Na opinião do AA40, considerando tudo isto, você pode sim por em prática este plano, desde que a renda do trabalho do seu marido e de suas aulas cubram todas as despesas da casa e que o padrão de vida não aumente mas sim diminua.
Se seu marido tiver plano de saúde na empresa dele que inclua você e seu bebê, é mais um motivo para ele continuar trabalhando os 3 dias por semana para não precisar pagar por um plano particular.

Viver só com a renda do seu portfólio ainda não é possível ou recomendado ainda, mas deixando investido por uns bons anos e talvez diversificando em alguns ativos de maior potencial (10% em renda fixa e FIIs, por exemplo ou adicionando algumas debêntures de bom rating a sua carteira possa levar a um rendimento maior com riscos controlados) poderá chegar a uma aposentadoria antecipada mesmo reduzindo o ritmo desde já e curtindo mais a vida e seu bebê que chegará em breve.

Um abraço Maria e muito sucesso nos investimentos. Que possa curtir muito seu bebê e sua vida frugal no interior. Vamos abrir agora para comentários de nossos leitores que sempre tem muito a contribuir.

PS: Quer ler mais, nosso amigo II publicou uma referência bem legal ao nosso post - leia aqui



18 comentários:

  1. Bateu até inveja de ver que alguém tem a opções de reduzir o ritmo de trabalho (3x por semana). No meu ramo é praticamente "tudo ou nada", nenhuma empresa contrata alguém para trabalhar de forma reduzida, na verdade todo mundo na empresa trabalha igual. Uma semi-IF me parece uma ótima opção, não fica totalmente a toa e ainda conta com benefícios interessantes como plano de saúde, o difícil é achar empresa que tope esse tipo de coisa p peão igual a mim.

    Sr. IF365

    Blog IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    https://srif365.wixsite.com/if365

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A minha empresa também nunca toparia algo assim. Felizmente existem empresas mais modernas ai fora que permitem trabalhar de casa ou part-time, oferecendo qualidade de vida a seus funcionários. A maioria como vc falou só quer peões.

      Excluir
  2. Mais um belo estudo de caso AA40! Parabéns!

    Antes de tudo, deixo meus parabéns e desejo muita saúde a criança da Maria Investidora!

    Gostei do plano dela de diminuir a carga. Lembrou bastante um post lá do blog - Use o poder que o dinheiro te dá para tornar seu trabalho melhor! No caso dela, a vida melhor!

    O meu pitaco sobre o caso dela é;

    ajustar as despesas para não depender do patrimônio logo cedo, como bem comenta o AA40. Porém, eu já partiria para uma redução dos 7k de despesas. Começaria o plano com uma pequena folga no orçamento e com ele quem sabe montar até uma reserva de emergência haha. Com essa reserva, você evitaria de mexer no principal em caso de necessidades e deixaria ele livre para se valorizar.

    Boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu. Ótima contribuição como sempre II.
      Abraços, AA40

      Excluir
  3. esses estudos de caso são minha parte preferida do blog. Você manda muito bem, devia cobrar pelo atendimento :D

    a única ressalva que faço é quanto ao imóvel: se ele estiver bem localizado, for um imóvel atrativo, talvez compense deixar alugado, pra ter um fluxo de renda maior, e um lugar pra onde correr e morar caso as coisas deem errado. no mais, nenhuma objeção ao plano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Vida Rica :) Temos um botão de doações ai ao lado. Quem quiser e puder, sempre é bem vindo e nos motiva mais.
      Realmente muito bem observado o caso do imóvel. Como ela falou que já está a venda nem considerei faze-la repensar, mas sim, dependendo de muitos fatores, a renda com o imóvel alugado pode ser uma boa, principalmente em temos de vacas magras na renda fixa.

      Excluir
    2. Outro detalhe sobre o imóvel que me esqueci: dificilmente uma venda é feita sem descontos. Então esse imóvel de 400k pode acabar vendido por 350k, por exemplo.

      Excluir
  4. Gostei muito do estudo de caso, parabéns!

    Quando comecei a ler, achei o patrimônio pequeno para gerar renda passiva na IF, porém a ideia do trabalho 3x na semana me surpreendeu. É uma ótima alternativa para equilibrar vida profissional e pessoal. O plano está bem legal, só alerto para possíveis custos adicionais que podem surgir no orçamento quando a família cresce, pois não ficou claro se já está no provisionamento futuro.
    Boa sorte e muita saúde no seu bebê que está por vir.

    Jean

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Anon.
      Geralmente pensamos em dar um gás total para podermos parar cedo, mas podemos conciliar o trabalho mais leve com um estilo de vida mais frugal e obter resultados semelhantes. O nada agora e tudo depois pode não ser uma boa pois além da transição ser mais difícil, temos que aproveitar a vida enquanto temos pique para tal.

      Excluir
  5. Parabéns pela ótima análise, AA40, com certeza contribuiu para a leitora decidir melhor.

    Semi-IF é algo que almejo no futuro, reduzir a jornada com a respectiva redução na remuneração, passar em concurso que pague menos mas cujo trabalho me agrade mais, ou até dar uma guinada total, buscando empreender em algum ramo... as opções serão muitas e isso é o fantástico da liberdade financeira.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Tomara que sim CI.
      Semi-FI é algo bem interessante mesmo. Principalmente quem consegue conciliar trabalho com uma vida equilibrada, o que é um grande desafio hoje em dia onde as empresas sugam até sua última gota de sangue. Rumo a liberdade!

      Excluir
  6. Nao ficou claro pra mim se ela está contabilizando algum aumento de despesas por causa do neném.
    O salario do marido é estavel, nao corre risco de ficar desempregado algum tempo ?
    Engraçada a constatação "porque sou de exatas eu cuido das finanças", dei risada.
    Feliz IF pra Maria !

    ResponderExcluir
  7. AA40, obrigado pela análise e por compartilhar sempre suas opiniões com todos. Maria, em minha visão você não deveria vender seu imóvel, primeiro pelo fato de ter de pagar impostos e intermediários, segundo pois este é seu maior patrimônio. Alugá-lo não é uma opção? Porém quanto a diminuir a quantidade de trabalho para investir este tempo com sua família me parece uma excelente escolha. Outro ponto importante, você descreveu várias mudanças que planeja fazer em um curto período de tempo, enfim pense nisso. Paz e saúde para sua família!

    ResponderExcluir
  8. mto obrigada a todos pelos votos de saúde e felicidade!!!! obrigada tb pela análise, vou refletir sobre todos os pontos que vcs levantaram...espero em alguns anos retornar e contar a vcs como os planos se concretizaram.
    um abraço
    Maria Investidora

    ResponderExcluir
  9. Olá, que legal essa discussão.

    Venho acompanhando os posts e os comentários também, contudo, uma coisa que não entendo(pois sou iniciante), muitos falam da importância de se juntar um montante
    para só depois viver através de sua renda. MAS, não li explicações de como proceder após a fase de acumulação.

    Tipo, beleza...juntei o montante e agora vou investir em tal investimento e no
    fim do mês vou lá e retiro o necessário para o mês. Não achei essa explicação.
    Se puderem me esclarecer ficarei muito agradecido...abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anon. Então, temos alguns posts sobre isto mas é verdade que focamos mais no pré pois é a fase onde a maioria de nós estamos.
      Vamos lá. Primeiro é que você não investirá só depois de juntar o montante. Investimentos deve ser feito desde o seu primeiro salário. Em quais ativos e carteiras temos vários exemplos e posts sobre isso.
      Como retirar o montante todo mês tbm pode ser de vários jeitos. Se você investe pesado em FIIs, o rendimento cairá na sua conta todo trimestre e você pode usar; se investir no tesouro, geralmente todo semestre entrarão seus juros e vc pode usar, se investir em acões que pagam dividendos tbm todo trimestre vc receberá. Se só investir em ativos que não paguem dividendos/juros, vai sim precisar vender alguns shares todo mes para viver de renda. Alguns preferem ter em uma conta poupanca ou TD Selic já o total de um ano para gastar..depende do perfil.
      O importante aqui é gastar só parte dos rendimentos totais para anular o efeito da inflação. Geralmente 4% do seu patrimonio ao ano é o que vc poderia gastar (TSR 4%) ou divida seu patrimonio por 300 e esse é o valor que pode gastar por mês. Em resumo é isto. Breve escreveremos mais sobre o pós FIRE. Abcs
      http://www.aposenteaos40.org/2017/11/ajustar-tsr-todo-o-ano-ou-nao-ajustar.html

      Excluir
    2. Pensar no Pós-FIRE é tipo o cachorro pensar pq corre atrás dos carros que passam. kkkk

      Às vezes parece que esse momento é uma utopia. Mas a pergunta do anon foi ótima, melhor ainda sua resposta, AA40.

      Quem acumulou ao longo de pelo menos duas décadas um bom patrimônio diversificado não terá problemas de fluxo de caixa, praticamente todo mês vai pingar alguma coisa. No mais, é só manter uma reserva de emergência na poupança para uns 6 meses de despesas e deu. Precisou, sacou. Depois de um mês já ficou mais rico ainda.

      Excluir
    3. hahaha muito boa IC. Realmente o pós-FIRE é um problema menor. Sendo disciplinado até chegar lá vai lhe garantir um belo futuro pós-fire. Abcs

      Excluir

Mensagens ofensivas e críticas infundadas não serão toleradas. As mensagens aqui postadas podem não representar a opinião do blog AA40. Os posts aqui mostrados não representam sob hipótese nenhuma recomendações de investimento.