Subscribe

Como começar a caminhada em busca de Independência financeira (FIRE) ?

NÍVEL: INICIANTE
Muitos leitores aprendem sobre FIRE por acaso na internet via pesquisa ou viram o link em algum de nossos blogs parceiros, ou então já tem uma noção que juntando o suficiente é possível viver de renda mas não sabem que é um pouco mais complexo que isto quando juntamos inflação, macroeconomia, renda variável, etc.
Ao ler sobre FIRE (aqui no nosso blog mesmo no menu FIRE-FYM), no primeiro momento você tem duas reações quando descobre sobre FIRE:

Ignorar

A primeira e mais comum é ignorar completamente dizendo a si mesmo coisas do tipo "Ah isso não é pra mim", "isso é coisa pra quem ganha muito bem", "eu quero é aproveitar a vida e não viver poupando", "isso é coisa de pão duro", "coisa de avarentos", dentre muitas outras. Isto é chamado de auto-sabotagem !

Eureka!

A segunda reação, de quem tem uma mente mais aberta é: "Puxa, legal, não sabia que era possível viver de renda", "a regra dos 4% é algo que abre possibilidades", "FIRE pode mudar minha vida" "interessante, mas por onde começar? ".



Onde começar?

Quem teve a última reação é quem provavelmente está lendo este post até aqui. A última indagação é a mais comum. OK A ideia FIRE é super legal, mas por onde começar? 

Como toda obra grandiosa e de longo prazo começa: Por um estudo inicial. Este estudo precisa, basicamente, de dados e estes dados seriam:


  1. Gastos / Consumo

Para este projeto precisamos de alguns dados básicos e o primeiro deles é conhecer seu padrão de consumo atual. Para isto precisa responder algumas questões como:

  • Qual gasto mensal médio dos últimos 3 anos?
  • Quais as três categorias que mais impactam meu orçamento
  • Ganho mais que recebo? Quantos % ?
Para isto não tem jeito, se ainda não o faz regularmente,  é preciso abrir a página do banco e/ou cartão de crédito e planilhar todos seus gastos mês a mês, indo, se possível, vários anos de volta no tempo. Faça disso um hábito e utilize aplicativos para isto.
Felizmente a maioria dos internet banking permitem exportar para excel a lista de gastos e saques. Basta adicionar uma coluna e classificar estes custos em categorias como: Moradia, transporte, alimentação, energia, viagens, etc.

    2. Ganhos / Rendimentos

Tão importante quando analisar os gastos é analisar os rendimentos. Planilhe da mesma forma todos os rendimentos brutos e líquidos mensais, respondendo:

  • Qual o ganho líquido mensal médio dos últimos 3 anos?
  • Estes rendimentos foram estáveis? 
  • Qual a porcentagem média da renda preciso para cobrir minhas despesas mensais médias? Diminua este número de 100% e terá a sua taxa de poupança.

Pronto. Agora você tem insumo(dados) para analisar sua trajetória até aqui e traçar um plano básico para o futuro. Conforme o resultado da sua taxa média de poupança podemos dizer:

😀>20%
😐5-20%
😔<5%


    3. Plano FIRE


  • Se sua taxa de poupança for negativa você está encrencado e provavelmente possui dívidas. Se ela for menor de 5% você precisa focar em ganhar mais ou cortar custos para poder pensar em FIRE, já que para antecipar a aposentadoria ou obter a independência financeira é preciso considerar uma taxa de poupança de no mínimo 20%. O prazo para conseguir atingir a IF é diretamente proporcional a taxa de poupança como vemos aqui!
  • Ao atingir uma taxa de poupança mínima de uns 20%, ai então partimos para a segunda etapa do plano, que é decidir no que investir e qual a alocação em cada tipo de ativo, fazer reserva de emergência dentre outros, mas isso é assunto para um próximo post.
E você caro leitor, como descrobriu FIRE e qual foram seus primeiros passos? Compartilhe abaixo nos comentários: 







14 comentários:

  1. Descobri FIRE sem saber que existia, meio que por instinto por pensar ingenuamente que se eu aplicasse um milhão na poupança iria render 1% ao mês e poderia facilmente receber 10 mil todo mês sem ter que trabalhar. Não entendia pq as pessoas "arriscavam" tanto aplicando em ações se na poupança eu já ganharia mais que o suficiente para viver....rs Só muito tempo depois o conceito de inflação entrou na conta, dali pra frente foi um caminho sem volta ao perceber o quão mais complexo chegar á IF seria.

    Sr. IF365

    Blog do Sr.IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    www.srif365.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante 365. Realmente é um pouco mais complexo mas não precisa ser tanto. O que é preciso para montar um bom plano FIRE na verdade é conhecer seu padrão de consumo e padrão de renda e ter uma boa estimativa do cenário futuro desejado. Abcs

      Excluir
  2. Parabéns pelo post. Eu poupo desde novo e o dinheiro ficava todo na poupança. Incomodado com a vida descobri os livros de IF e comecei a investir em outros ativos.

    Como você falou: muitas pessoas inventam muitas desculpas para não investir e não pensam no futuro.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Cowboy. Fazemos parte do grupo que teve aquele "estalo" e descobriu que é possível fugir da corrida de ratos. Muitos ignoram a possibilidade e se sabotam na verdade. Abcs

      Excluir
  3. Excelente post para quem está começando, fazer o seu ponto de situação.

    Abraço e bons investimentos.

    ResponderExcluir
  4. Fui descobrir sobre a IF através da blogosfera! Antes, eu investia em renda fixa ou até mesmo variável mas sem esse objetivo. O legal que depois da "Eureka", passei a controlar melhor minhas receitas/gastos.

    E lógico, os aportes cresceram :D

    Belo post AA40! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa I.I. Momento eureka é onde realmente passamos a ter um objetivo real para o dinheiro que guardamos e investimentos e percebemos que isto pode significar liberdade logo ai ! Abcs e bfds

      Excluir
  5. Desde a infância sempre guardei dinheiro para alcançar meus objetivos.
    Guardava o dinheiro da merenda pra comprar revista em quadrinhos haha.
    Sou poupador de fábrica. Nasci assim.
    Quando comecei a ganhar dinheiro no estágio, comecei a aplicar num fundo DI de grande banco onde tinha conta (quase todos começam em grande banco comercial né...).
    Depois de 5 anos em banco grande, sempre poupando um terço do que ganhava, busquei conhecimento. Descobri canais do YouTube sobre finanças pessoais e em seguida os blog sobre FIRE.
    Aí, já viu, é um caminho sem volta. Estamos aprendendo até hoje sempre buscando melhorar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal sua história Filipe. Realmente acho que a maioria começa nos bancos grandes e muitos continuam, alguns por falta de conhecimento e outros por obrigação (meu caso) mas o importante realmente é poupar e investir de alguma forma.
      Abcs e vamos aprendendo sempre!

      Excluir
  6. Ótimo post! Conheci o conceito FIRE na finansfera, antes de ter meu blog. Alguém tinha me falado do blog do pobreta e a partir dele cheguei nos outros. Com o tempo fui separando o joio do trigo, passando a seguir os que mais me interessavam. Isso me estimulou bastante s buscar mais conhecimento e inclusive conhecer muitos blogs gringos. O conceito e simples, mas aplica-se requer muita disciplina e mudança de hábitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita disciplina. Falou tudo. Sem disciplina ate' o mais ferrenho dos poupadores nao chega la'. Abcs

      Excluir
  7. Instintivamente, sem saber, já aplicava os princípios do Fire. Mas, a partir do momento em que percebi que estou trocando meu tempo de vida por dinheiro, percebi a vital importância de investir para ser dona do meu tempo e ter qualidade de vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem vinda. Realmente muitos de nós aplicam os princípios sem saber por que, já nascemos frugais digamos assim. A partir do momento que refinamos e aumentamos o conhecimento o caminho para a liberdade de comprar seu tempo de volta para sí fica livre é questão só de tempo para a conquista final. Abcs

      Excluir

Mensagens ofensivas e críticas infundadas não serão toleradas. As mensagens aqui postadas podem não representar a opinião do blog AA40. Os posts aqui mostrados não representam sob hipótese nenhuma recomendações de investimento.