Subscribe

Repense o conceito de carreira !

A vida corporativa atual é massante. Longas horas, baixos salários, aumentos cada vez mais raros e zero segurança no emprego. Você pode trabalhar 60 horas por semana durante anos e ser demitido de uma hora para outra.

É muito difícil não enlouquecer em um ambiente tão austero, mas e se você não for só mais um empregado que quer apenas pagar as contas no fim do mês, mas sim um desses tipos ambiciosos que realmente quer subir no organograma da empresa e ganhar mais dinheiro?

Até pouco tempo era simples, pois os próprios chefes orientavam os funcionários ao longo da carreira até que as promoções fossem oferecidas. Aqueles que trabalhavam mais horas sempre ganhavam.
Hoje a coisa mudou. De acordo com o Linkedin as pessoas estão mudando em média 15 vezes de emprego durante a vida nos EUA.
Segundo a professora de liderança e organização, Elisabeth Kelan da Universidade Essex no Reino Unido, "não se trata mais de encontrar uma carreira para o resto da vida, mas o que você poderia fazer nos próximos  5 anos - que o qualificaria a conseguir o próximo emprego? ”

Você deve repensar o conceito de carreira 


Primeiro, você deve planejar uma série de experiências de trabalho de três a cinco anos que o deixarão amplamente qualificado, empregável e capaz de se (re)colocar em vários setores, explicou Kelan. O objetivo de cada estágio é encontrar posições que lhe deem proficiência em “exatamente o conhecimento que você precisa saber em seu campo”, disse ela. "Você não pode estagnar."

Estratégias

Transferências

Existem várias maneiras de atingir isso, uma é tentar transferências dentro da mesma empresa para escritórios regionais que tendem a crescer mais e mais rapidamente e consequentemente tendem a precisar de pessoas qualificadas para gerenciamento deste crescimento.
Transferências para outros países é ainda mais importante, não só pela experiência na empresa em sí e nas atividades mas também na imersão em outras culturas, línguas e ambientes que lhe qualificarão para muitas outras oportunidades tanto internamente quanto em outras empresas.

Certificações

Outra maneira bastante engenhosa e mais rápida e prática do que fazer um mestrado e doutorado são as certificações. Se você for da área do TI ou afins, ou mesmo softwares específicos, existem centenas de certificações oficiais que lhe qualificarão instantaneamente a assumir responsabilidades e vagas não ocupadas no mercado.
Um exemplo de peso:
Esta estratégia de certificações dá muito certo atualmente. Um exemplo FIRE que temos é o do famoso blogger Grant Sabatier atrás do blog Millennial Money. Conheça a história dele aqui. Com apenas 2 dólares na conta e desesperado, ele procurou no Google a solução. Dedicou um mês estudando e obteve a certificação Google Ad Campaign gratuitamente e em 45 dias apenas ele conseguiu um emprego em uma agência de propaganda em Chicago ganhando U$ 50 mil por ano.

Como o próprio Grant fala,  houve poucas vezes na história da humanidade em que a oportunidade de seguir seu sonho e viver uma vida que você ama foi tão acessível a tantas pessoas como agora. Durante a maior parte da história, seu destino foi determinado pela família em que você nasceu. Mas agora você tem acesso a ferramentas, conhecimento, idéias, estruturas comprovadas e comunidades para ajudá-lo e a comunidade FIRE é uma delas.

Atividades paralelas 

Uma terceira estratégia envolve adotar "atividades paralelas" que não estão necessariamente relacionados ao seu trabalho de tempo integral mas que tenham sinergia. Qualquer coisa, desde o desenvolvimento de software até a criação de um canal no Youtube para aconselhamento de moda ou qualquer coisa afim. Isto vai lhe dar experiência em administrar sua própria organização, essas atividades extracurriculares ajudarão a fortalecer outras habilidades e poderão torná-lo mais desejável para o seu atual ou outros empregadores e empresas. 

A ideia de que você pode estar aprendendo relações públicas e marketing em paralelo não é algo que você precisa esconder, pelo contrário, isso faz de você um empregado mais forte dentro da organização

E ai, pronto para começar levar a sério aquele hobby ou aquela atividade paralela que sempre gostou? Saiba que isto pode lhe qualificar e tornar um profissional ainda mais desejado no mercado de trabalho; e como sabemos, precisamos trabalhar e empreender para acumular o capital necessário para curtir nossa FIRE e continuar gerando renda após ela com estas atividades prazerosas ! Nos conte sua história abaixo:


Fontes: Compilado utilizando de várias fontes, dentre elas Edsurge, Linkedin, Bloomberg, Essex  univ. e blog Millennial Money






Isenção de responsabilidade: Todo conteúdo publicado neste site baseia-se no direito de expressão garantido nos arts. 5º, IV e 220 da Constituição Federal de 1988. Não somos profissionais de investimentos nem consultores financeiros licenciados. Este blog representa apenas opiniões e decisões pessoais, que podem não ser apropriadas para outros investidores. Por favor, use o bom senso e/ou consulte um profissional de investimento certificado antes de investir seu dinheiro. AA40 não é responsável pelos resultados de suas decisões, nem responsável pelos comentários postados pelos leitores ou pelo conteúdo de quaisquer sites vinculados. Este blog deve ser visualizado apenas para fins educacionais ou de entretenimento. Resultado passado não é garantia de resultado futuro.

21 comentários:

  1. O meu repensar a carreira é aguentar meu trabalho por mais alguns anos, até conseguir minha independência financeira. Trabalho em um Banco e de alguns anos pra cá passei a odiar ir pra lá e o que segura é a questão financeira. Agora é usar isso como gás pra conseguir logo a FIRE,

    Forte abraço e um Beijo Grande!!
    Sniper

    https://sniperinvestidor.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Me desculpem mas tenho uma visao totalmente diferente: vejo muito pouca gente trabalhando longas horas ou sendo massacrada pela vida corporativa. A verdade é que a maioria se esforça muito muito pouco.

    Morei e trabalhei no EUA, Alemanha e no Brasil, o que dá uma visao relativamente isenta de aspectos culturais. Em todo lugar, a maioria das pessoas nao fazem nem o que lhes é pedido, muito menos se esforçam para fazer algo a mais. Se algo dá errado nunca é culpa delas mas de qualquer outra coisa ou pessoa.

    As mudanças de emprego sao muito mais motivadas por problemas pessoais com chefes e colegas ou a percepçao que a empresa vai mal e é horar de "pular fora".

    A pessoas procuram formulas magicas para o "sucesso" (algo muito relativo), mas no fundo basta vc ser melhor que os outros. Se nao te reconhecerem, cai fora e vai pra outro lugar que te valorizem. O resto é papo furado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anon, não esqueça que neste blog falamos para FIRE e FIREEs e não para o povão que não tem ambições além de pagar contas.
      Moro nos EUA agora e vejo como as pessoas que realmente querem algo a mais se esforçam e buscam, trabalham incansáveis horas mas mesmo no Brasil na empresa em que trabalho (que é a mesma) as pessoas são tão ambiciosas que chegam a trabalhar até as 2hs da madrugada. Sei que isso é exceção e não regra mas é para essas pessoas que falamos aqui, as que querem o algo a mais e isto no meu caso é ser FIRE aos 40 (+-2). Abcs

      Excluir
    2. Pois é AA40, sempre tem alguns que se sobressaem. O problema é que as pessoas querem fazer parte da minoria com esforço zero.

      Isso nao tem relacao com vc trocar 15x de emprego na vida ou nenhuma. O estágiario pode fazer carreira na empresa e virar CEO ou abrir uma start-up e ter a sua empresa. Ambos vao ralar pra caralho pra alcançar o que querem.

      PS: que é um FIREE?

      Excluir
    3. Ralar faz parte para qualquer um que realmente quer chegar lá. Não importa se é peão ou CEO. Nada vem se trabalho.

      PS: FIRE é alguém já independente financeiramente enquanto FIREE é o aspirante ainda em busca. Abcs

      Excluir
    4. Essa é a pequena diferença que fez TODA A DIFERENÇA nos Eua. O trabalho é medido pelas horas, quanto mais horas trabalha, mais ganha. Aqui na bananalandia e seus milhares de "sindicatos" nesses anos a fio ensinando que o chefe é seu inimigo, o cara não vê a hora de chegar 6 horas porque seu salario vai estar lá de qualquer jeito, trabalhando ou não. Uma cultura que por aqui só muda com uma bomba atomica e rastelando a terra.

      Excluir
  3. Olá AA40, quem pensa em carreira deve se atentar a longevidade da profissão (que a cada dia sofrem com o avanço de tecnologias) Portanto, acredito ser perigoso focar somente em uma coisa.

    Logo adotar atividades paralelas acredito ser uma boa para os dias atuais. Além de garantir um extra, aumenta a segurança (duas fontes de renda ao invés de uma), autoestima

    E por ai vai rsrs

    Meus projetos paralelos ainda estão engatinhando. Mas acredito que em breve eles aprendam a andar rs

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom ponto II. As atividades paralelas devem justamente atentar a isso. Além do gosto pessoal, pode-se aprender coisas que estão em evidência e que há muita procura como no caso do Grant acima e certamente de muitos casos brasileiros que não estão na mídia. Abcs

      Excluir
  4. Esse negócio de carreira é papo de velho. Hoje em dia as pessoas devem pensar mais como autônomos, freelancer. O importante é se capacitar e estar alinhado às tendências do mercado e saber gerenciar bem a imagem e as demandas. Desempenhar profissionalmente mais de uma atividade também passou a ser praticamente obrigatório.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é exatamente isso que falamos no texto

      Excluir
    2. autonomos freelancers ou subempregados desesperados?

      Excluir
  5. Esse Grant Sabatier citado no artigo é um malandro que surfou na bolha das bitcoins e lucrou USD1M muito mais por sorte que juizo. Ele ganha dinheiro dando palestras e vendendo livros como tantos outros gurus-fakes de auto-ajuda. Se ele fosse bom como ele se diz, nao teria largado tudo pra dar palestrinha e agora teria 10 milhoes de dolares.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escutei um podcast com a história dele esta semana. A história dele é fantástica de como ele foi xotado de casa pelos pais, com 25 anos e 2 dolares no bolso e tudo mais e se ergueu do zero estudando TI por conta. Só depois de tudo isso ele investiu em bitcoins mas agora ele vendeu tudo e odeia bitcoins e falou por que disso no podcast.
      Ele hoje parou de trabalhar e dá palestras e escreve livro pq todo pós-FIRE precisa fazer algo, seja pra ganhar dinheiro ou não. Se vc ficar parado vai entrar em depressão ou voltará a trabalhar
      Quer escutar o podcast clica ai
      http://shorturl.at/cjqZ5

      Excluir
  6. Seria bom se usasse exemplos do Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É só enviar que usaremos. Como ainda trabalho não tenho tempo de garimpar muito e no Brasil sabemos que ninguém se expõe por medo, mas se tiver exemplos ficaremos felizes em utilizar.
      Lembre-se que uma missão do AA40 é trazer o que rola na comunidade FIRE mundial então sim traremos muitas coisas de fora pra vcs lerem aqui. Nem tudo se aplica mas além de tentarmos adaptar para a realidade brasileira de investimentos, muitas coisas não financeiras de motivação e experiência de vida sim se aplica. Abcs

      Excluir
  7. Das três estratégias com certeza a da certificação é a que me abriu as portas para um ótimo salário hoje. Certificado Cisco faz muita diferença ainda apesar de custar um dinheiro para tirar. A mesma coisa com certificado de CFA também ouvi falar que abre portas como poucos. Algum CFA ai para confirmar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas Anon, tenho muitos colegas CFAs e eles nunca se queixaram do salário.
      Para quem não sabe, a certificação CFA é a mais reconhecida no mercado financeiro mundial, seja nos EUA, no Brasil ou em Dubai, qualquer lugar que você for os profissionais da área saberão do que se trata. Por conta disso, é também o título mais desejado por muitos profissionais do mercado.
      https://www.bussoladoinvestidor.com.br/certificacao-cfa-o-que-e-e-como-estudar-para-passar-na-prova/

      Excluir
  8. AA40!

    De tudo que aqui foi dito, tive que concordar absolutamente com a pessoa que disse que: "A verdade é que a maioria se esforça muito muito pouco"!

    Também concordo que precisamos desenvolver competências que nos habilitem para transitar em diferentes níveis e áreas.

    Parabéns pela postagem. Me fez refletir sobre esse assunto.

    Forte abraço, Fernando do Sou Poupador.

    ResponderExcluir
  9. Ótimo artigo A40, encaixa como uma luva no momento que estou vivendo, sou universitário e hoje vejo que tomei algumas decisões ao entrar no ensino superior que me ajudaram, e ajudarão em minha carreira até a independência financeira. Acho que por ter feito um curso técnico e ter atuado na área antes de entrar na faculdade, tive a oportunidade vivenciar experiências e a maturidade de aprender algumas habilidades que eu vi que são indispensáveis em minha área de formação.
    Na faculdade experimentei todas as oportunidades que tive, desde a área de iniciação científica (descobrir que não é para mim) carreira acadêmica (dar aula também seria uma das últimas carreiras que me agradaria) embora eu fui convidado por uma professora a participar de um projeto em que eu tenho que dá aula, e ela dizer que eu levo jeito pra coisa. Entrar na empresa júnior do curso, comecei como trainee e hoje sou o presidente da EJ, comecei a aprender inglês sozinho por não ter dinheiro (quem quer dá um jeito, quem não quer inventa uma desculpa) e por aí vai… Hoje vejo que o maior ativo que possou é o conhecimento que adquirir com essas experiências que me agregam muito, e acredito que ainda será bastante recompensador…


    http://patrimoniozero.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Mensagens ofensivas e críticas infundadas não serão toleradas. As mensagens aqui postadas podem não representar a opinião do blog AA40. Os posts aqui mostrados não representam sob hipótese nenhuma recomendações de investimento.