Subscribe

Principal, Dividendo vs Ganho de Capital e carteiras CORE e SATÉLITES

Um dos principais argumentos usados por aqueles que rejeitam a ideia da TSR (Taxa Segura de Retirada) é o "não quero usar o principal, apenas os rendimentos". Esta frase demostra um dos principais erros do investidor iniciante e até de alguns mais experientes: Não saber o real conceito de "principal"

A Definição de "Principal" em investimentos

The principal is used to refer to the original amount of investment made in an asset, separate from any earnings or interest accrued. Assume you deposit $50,000 into an interest-bearing savings account, for example. At the end of 10 years, your account balance has grown to $66,500. The $50,000 you initially deposited is your principal, while the remaining $16,500 is attributed to earnings. - Livro Basic Economics
ou seja 

"O principal é usado para se referir ao valor original do investimento feito em um ou mais ativos, separado de quaisquer ganhos ou juros acumulados. Suponha que você deposite US $ 50.000 em uma conta poupança com juros, por exemplo. No final de 10 anos, o saldo da sua conta aumentou para US $ 66.500. Os US $ 50.000 que você depositou inicialmente são seu principal, enquanto os US $ 16.500 restantes são atribuídos aos ganhos".

Portanto ai temos. Imagine que você aporte em ETFs por 30 anos. E que o total dos aportes "puros" somem 400 mil reais. Mas que seu saldo agora são 1 milhão de reais. O seu principal são 400 mil e os juros, renda com dividendos e ganho de capital são 600 mil reais. Quando você for vender papeis para pagar pelas suas despesas FIRE, você não estará vendendo o principal, ao menos não antes de gastar 60% da sua carteira no nosso exemplo.


Dividendos e Ganho de Capital: Dois lados da mesma moeda


Como já vimos, o "Principal" é apenas o dinheiro aportado. Ponto. O retorno total possui geralmente dois componentes principais: Ganhos de Capital e Dividendos/JCP
Estes dois componentes são geralmente complementares, ou seja, dois lados da mesma moeda. Porém há de se observar a diferença em natureza dos dois. Enquanto ganho de capital só existirá materialmente quando você vender um papel (liquidar) que possui, dividendos são pagos periodicamente em forma de dinheiro vivo que você pode gastar ou reinvestir ou não no mesmo papel.
Existem estratégias diversas no mercado, muitas visam retorno total, outras tantas visam renda passiva via dividendos. Outras ainda focam em ganhos de capital por meio da apreciação dos ativos.


O atual problema de se buscar apenas dividendos

Muitos ficam tentados pelo imediatismo e o fluxo de caixa que o dividendo proporciona, aliado ao propagado efeito "bola de neve" dos juros compostos ao reinvestirmos os mesmos por anos a fio. Isto era um mantra até pouco tempo. Mas os tempos estão mudando. 
S&P 500 Dividend Yield Histórico. Fonte: www.multpl.com

Até a pouco tempo atrás era fácil encontrarmos títulos de renda fixa pagando bons juros e empresas pagando dividendos muito interessante, porém atualmente vivemos em um mundo com yield ou rendimento passivo cada vez menor (gráfico acima). Renda fixa no mundo pagando zero e países com juros negativos. Isto está levando a uma busca por rentabilidade passiva ou yield chasing cada vez maior, e está levando muitos investidores, FIREs e aposentados a arriscar muito capital em fundos e empresas duvidosas com dívidas altíssimas que só cresce (veja gráfico abaixo), que, ao menor sinal de crise, cortam ou diminuem os dividendos pagos como primeira medida anti-crise. Vimos isto aos montes em 2020 com a pandemia (veja a lista).

A dívida corporativa americana (debêntures, etc) nunca esteve tão alta em relação ao PIB. Nunca empresas pegaram tanto emprestado. 


Não apenas as empresas estão ficando mais endividadas, como a qualidade dessas novas dívidas está baixando muito (igual ao sub prime?). Isto pode levar a crises e quebra de empresas e calotes sem precedentes.


Empresas que pagam altos dividendos são candidatas a performar pior em termos de ganhos de capital e retorno total. Simplificadamente, quanto mais uma empresa paga em dividendos menos investe para crescer. É comum escutarmos o chavão "Big yield, big underperformance" no meio seguidamente. Não é a toa que a porcentagem de "vendidos" nestas ações que pagam altos dividendos são quase sempre mais altos que em empresas com dividendos normais. Muitas empresas que não pagam dividendos ou pagam dividendos irrisórios (como Apple, Visa, Nvidia, etc), crescem muito mais pois aplicam boa parte do lucro para crescer e gerar mais lucro (ganho de capital para você) e se você não investir nelas também, seu retorno total poderá ser pífio. Exemplo:

Empresas wide-moat do setor de entretenimento e comunicação. Uma em fase de crescimento pleno, outra consolidando e outra consolidada. A diferença de retorno total pode ser monstra. Ao invés de escolher uma em detrimento das outras, não é melhor ter todas? Se você se empolgar vendo o gráfico da Netflix, saiba que ela é como a Magazine Luiza, ninguém poderia adivinhar este crescimento, por isso investindo via ETF de amplo mercado você não tem que se preocupar em adivinhar 


Algo interessante é pegar livros sobre dividendos como o "The single best investment" e "All about dividend investing" e aplicar alguns filtros de qualidade sugeridos lá, você verá que o resultado são pouquíssimas ou nenhuma empresa aparece. Os tempos mudaram, as empresas estão cada vez mais endividadas e com múltiplos muito piores do que eram antigamente, principalmente as que pagam dividendos. Muitas delas, para manter o status de aristocratas ou ficarem na lista CCC (baixe a lista) acabam pagando praticamente toda a sua receita em dividendos (altos payouts), sobrando nada para reinvestir e crescer. A analogia é a mesma que uma pessoa gastando todo o dinheiro que ganha.
Além disso, depois de anos seguidos de juros praticamente zerados, em que incontáveis investidores correram para estas empresas para obter renda, logicamente formam-se bolhas. Ai, qualquer aumento nas taxas básicas de juros (Selic, se FED começar a enxugar o balanço, ECB) causará um aumento nas venda de ações com alto dividendo, levando a crashes nos preços que muitas vezes não são mais recuperáveis e lhe tomará muito mais capital do que aquele que você ganhou com dividendos até então.
Isto não é regra porém. Existe muitas empresas e Reits bons que pagam dividendos a taxas razoáveis e que estão financeiramente em bom estado, mas está cada vez mais difícil encontrá-las; com bons preços então, é praticamente impossível no mercado sedento por yield de hoje.

E qual estratégia adotar então?

Usar ganhos de capital, dividendos ou ainda uma mistura dos dois para financiar suas despesas FIRE é uma escolha puramente pessoal. 
Porém esclarecer o principal desentendimento das pessoas em relação ao "usar o principal" é fundamental para diminuir o estigma em relação aos que buscam retorno total ao invés da renda passiva. Além disso, investir com foco total em dividendos, que era uma estratégia extremamente bem sucedida no passado, está se tornando muito perigosa atualmente. Fica claro que usar ETFs para investir misturando os dois tipos de retornos e equilibrar a carteira parece bem interessante nos dias de hoje. 
É compreensível que no Brasil a busca por renda passiva via dividendos de empresas e FIIs é muito grande, principalmente devido ao abono fiscal dado pelo governo no imposto de renda destes ativos. Não se pode negar. Porém isto está prestas e acabar e todos deverão rever esta estratégia de longa data que possui tantos fãs pelo Brasil, indo de encontro a um modelo mais global e aplicado na maioria dos países, com ênfase em retorno total e ganhos de capital mais do que em renda passiva apenas, que será tributável a cada recebimento.
Finalizando, nunca é demais lembrarmos daquela velha máxima que um famoso investidor sempre fala e que adaptamos aqui: 

É muito melhor comprar uma ótima empresa a um preço (dividendo) justo do que uma empresa mediana a um preço (dividendo) maravilhoso. - Warren Buffet


_____
Outro assunto que queremos falar hoje é....

Carteiras CORE e SATÉLITE


Um dos métodos de construção de portfólio ou carteira alocadas mais conhecido e utilizado no mundo é o modelo "Core - Satellite" ou Núcleo-Satélite em português. Trata-se uma estratégia de investimento que incorpora ativos tradicionais de renda fixa e variável em um percentual majoritário que fica rotulado de "Core", "principal" ou núcleo da carteira (em preto abaixo) que obrigatoriamente devem ser de baixo custo, beta em linha com o mercado ou abaixo e retornos em linha com os benchmarks mais utilizados do mercado. 
O restante percentual não ocupado pelo core é destinado a alocações satélites (em azul abaixo) que "orbitam" este núcleo principal.
Carteiras CORE e SATÉLITE
Exemplo de uma carteira CORE com satélites "orbitando"

Os componentes ditos "satélites" podem ser compostos de ativos (embora um imóvel possa não ser um ativo) que o investidor considera que podem performar melhor do que o núcleo. Apostas em empresas individuais, em pagadoras de dividendos, em ativos não correlatos como ouro, commodities, bitcoins, etc, de forma a tentar extrair alguns pontos-base a mais do que o núcleo proverá. Isto também é chamado de alpha-seeking
Porém, como estas "apostas" geralmente são mais arriscadas, elas tem uma alocação limitada dentro da carteira e também limitam a queda em caso de eventualidades em determinado setor ou classe de ativo.


Construindo um portfólio Core-Satellite

Você pode utilizar, por exemplo, o portfólio builder da BlackRock/Ishares para ver qual o portfólio CORE que eles sugerem (logicamente com seus ETFs) nos EUA.

De acordo com seu perfil de risco e preferência pessoal, eles montam uma alocação de ativos recomendada para você com ETFs CORE, ou seja, centrais a sua estratégia. A partir daí você, se gostar de investir em determinados produtos e empresas específicas, determina quais serão seus satélites, ou seja, apostas fora do seu bolo principal, que estarão sujeitas a estratégia e escolhas pessoais. 
Enquanto isso a carteira core estará fazendo o trabalho pesado e mais garantido de performar sua carteira em linha com o mercado e nível de risco escolhido e seus satélites podem dar um impulso adicional caso a seleção feita for correta para aquele momento de mercado.

Exemplos de carteiras (Não são Recomendações, são exemplos):

CORE: VT ou VTI, BND
Satélite: Bitcoin, Petróleo, Ouro

CORE: ITOT, IUSB
Satélite: Small Cap, Amazon, Prata

CORE: PIBB11, FIXA11 ou IMAB11
Satélite: IVVB11, Dólar, BCFF11


E você caro leitor, tem em mente a definição de principal claramente? Percebe os riscos crescentes de investir buscando dividendos? Investe usando o método Core-Satellite e quais os componentes?  Nos conte abaixo.





Isenção de responsabilidade: Todo conteúdo publicado neste site baseia-se no direito de expressão garantido nos arts. 5º, IV e 220 da Constituição Federal de 1988. Não somos profissionais de investimentos nem consultores financeiros licenciados. Nenhum ativo e/ou estratégia de investimentos aqui mencionados deve ser considerado indicação de investimento. Este blog representa apenas opiniões e decisões pessoais, que podem não ser apropriadas para outros investidores. Por favor, use o bom senso e/ou consulte um profissional de investimento certificado antes de investir seu dinheiro. AA40 não é responsável pelos resultados de suas decisões, nem responsável pelos comentários postados pelos leitores ou pelo conteúdo de quaisquer sites vinculados. Este blog deve ser visualizado apenas para fins educacionais ou de entretenimento. Resultado passado não é garantia de resultado futuro.

15 comentários:

  1. Mais um fantástico post AA. Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Poucos percebem a obviedade do conceito de "principal" e menos ainda que a vida de rentista no Brasil está cada vez mais difícil (apesar dos alertas do Paulo Guedes desde 2018).
    Abraço,
    https://www.aposentecedo.com

    ResponderExcluir
  3. Oi AA40, post muito, muito bom. Esclareceu bem o conceito do principal.
    Eu pretendo utilizar as duas formas quando for FIRE: usar dividendos e aluguéis. O que faltar, venderei ativos para complementar minha renda. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Investidor Precoce aqui, AA40, não sei porque, não consigo comentar logado mais.

    Excelente Post, AA40.
    Acerca da tributação nos dividendos, acredito ser questão de tempo mesmo.
    Ou em lei específica ou na reforma tributária.
    Por enquanto, sigo acompanhando o PLS 1952/19:

    https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/136117

    ResponderExcluir
  5. Muito bem explicado, acabo sempre passando a ideia errada ao falar sobre isso quando na verdade minha decisão de viver apenas dos dividendos pagos e não considerar a variação patrimonial é apenas uma maneira de ser ainda mais conservador na minha estratégia de viver de renda. Cito como exemplo esse ano de 2020 em que a renda despencou por conta da crise, ao invés de considerar uma porcentagem fixa de renda passiva em função do meu patrimônio prefiro aceitar que a crise me afetou e terei que "apertar o cinto" por conta da queda na renda. Quando (e se) as coisas voltarem ao normal a tendência é a renda voltar a subir e consequentemente meus gastos também poderão subir, é uma maneira automática de controlar o fluxo de renda em função do momento econômico sem precisar ficar adivinhando qual a taxa de retirada eu devo utilizar em um dado período. Quando a taxação dos dividendos vier irá acontecer os mesmo, a renda irá cair e essa será minha nova realidade... mas como vc bem explicou viver de dividendos não tem relação nenhuma com sacar ou não do principal uma vez que tudo faz parte do mesmo bolo, é apenas uma forma simples de ajustar a renda ao longo do tempo para que acompanhe a realidade econômica.

    Sr.IF365
    Podcast do Sr.IF365

    ResponderExcluir
  6. Corona virus
    Praga de Gafanhoto
    IR sobre dividendos

    Que falta agora? Um meteoro?

    ResponderExcluir
  7. Muito bom post como sempre AA, esse conceito de carteira CORE e SATÉLITE só vi em pouquíssimos lugares

    ResponderExcluir
  8. Muito boa AA40 a sua elaboraçao do conceito Core / Satellite.

    Como voce diferenciaria este conceito da estrategia Barbell?

    Eu pratico uma variaçao da estrategia Barbell por muito tempo.

    Acredito que as "Anilhas" principais seriam mais ou menos equivalentes ao "Core", e as "Anilhas" secundarias ao "Satelite."

    O conceito aqui eh que o Retorno Total das Anilhas principais SEGUROS e das Anilhas secundarias DE MAIOR RISCO poderia ser ate maior que o Retorno Total de uma carteira com muito mais "peso" de Risco Total. E alem disso, com uma fatia de Risco Total bem menor, a possibilidade de resultos negativos extremos seria claramente tambem bem menor.


    Componentes na minha carteira global:

    - Anilha principal no mercado brasileiro: Titulos TD de Longa Data (principalmente Pre, mas tambem de Inflaçao) em formaçao de "escada" ou "ladder"

    - Anilha principal no mercado americano: "Escada" de CD's (equivalentes a CDBs Pre) e tambem fundos de titulos americanos

    - Anilhas secundarias no mercado brasileiro: ETF de Small Cap; Carteira de Açoes individuais diversificados para longo prazo e tambem açoes para "brincar"

    - "Anilhas" secundarias no mercado americano: ETFs e Fundos de Açoes de Growth (Crescimento) e Value (de Valor), ETF de Small Cap, Fundos de Açoes Internacionais/Emergentes

    Para mim tem funcionado bem tal estrategia em termos de Risco - Retorno na ultima decada e meia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anilhas Principais representam 80% da Carteira
      Anilhas Secundarias representam 20% da Carteira

      Excluir
  9. porque apagou este post....? ia reler kkkk

    https://www.aposenteaos40.org/2020/03/investir-via-etfs-como-planejar-aportes.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não apaguei, apenas ampliei e converti neste:
      http://www.aposenteaos40.org/2020/03/na-crise-voce-precisa-ter-um-plano.html

      Excluir
  10. Right here is that the new tools I actually have determined, its command for financial evaluation for entrepreneurship commercial enterprise for accounting to arrange profit-and-loss declaration, report, and money comply with statement and invoicing. Financial analysis budgeting cutting-edge year and future 12 months can be finished at need for long assertion. That downloadable at https://www.excel-accounting-budget-analysis.com

    ResponderExcluir

Mensagens ofensivas e críticas infundadas não serão toleradas. As mensagens aqui postadas podem não representar a opinião do blog ou autores do AA40. Os posts aqui mostrados não representam sob hipótese nenhuma recomendações de investimento.